Início > Artigo > China lidera a lista dos investidores com contratos assinados em Angola



China lidera a lista dos investidores com contratos assinados em Angola


A China lidera a lista de países com contratos de investimentos privados assinados nos últimos seis meses em Angola, principalmente em sectores como a indústria, telecomunicações e construção, anunciou, em Luanda, a presidente do Conselho de Administração da Agência de Investimento Privado (ANIP), Maria Luísa Abrantes (na foto).

Em declarações à imprensa, disse que o país asiático deixou de ser um “grande” prestador de serviços e exportador de equipamentos, para passar a investidor em sectores prioritários da economia nacional. “Hoje, temos empresários chineses que trazerem know-how e que pretendem desenvolver o sector industrial com tecnologias de ponta”, afirmou a presidente da ANIP.

Seguem-se nessa lista a Alemanha, Espanha e Portugal, para os quais o investimento se cinge à indústria ligeira, comércio e prestação de serviços. Portugal já foi, em 2010, o país da União Europeia que mais investimento privado efectuou em Angola.

Em 2008, o valor total do investimento estrangeiro situou-se em 120 mil milhões de kwanzas, em 2009 subiu para 180 mil milhões e em 2010 atingiu os 240 mil milhões de kwanzas.

Luanda continua a absorver uma boa parte do investimento privado, mas assiste-se já a algum investimento em províncias como o Kwanza-Sul e Kwanza-Norte, Huambo, Huíla, Zaire e Cabinda.
Maria Luísa Abrantes declarou igualmente que o volume total de investimentos nestes últimos seis meses foi de 100 mil milhões de kwanzas, que podem criar perto de cinco mil postos de trabalhos.
O empresariado nacional, salientou, que está igualmente nesta corrida na qual “já se observa um equilíbrio em termos comparativos, o que representa uma mais-valia para o país”. Maria Luísa Abrantes considerou que este exercício é um reflexo da capacidade do Executivo em apoiar projectos de investimento.Ontem, a ANIP rubricou cinco contratos de investimento no valor de mais de 30 mil milhões de dólares, em sectores como a indústria de sistemas de climatização e de madeira, comércio e distribuição de bebidas não alcoólicas, além de telecomunicações.

Os empreendimentos subjacentes a esses contratos, que vão empregar nos próximos dois anos 900 cidadãos nacionais, foram a Movicel, Roman consultoria, Floatnumberes Angola Limitada, além da Trivision investiment e Politermica.“Nós estamos a exigir como meta de rigor que os investidores estrangeiros concedam prioridade de enquadramento aos cidadãos nacionais, com salários extremamente competitivos e fixados em função da profissionalização,” disse a presidente da ANIP.

fonte




Data: 2012-07-30

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012