Início > Artigo > Companhia chinesa avança com estrutura de frio no Porto de São Vicente



CABO VERDE

Companhia chinesa avança com estrutura de frio no Porto de São Vicente


A companhia "China International Fisheries Corp" (CNFC) vai avançar para a construção de uma estrutura de frio na área de contentores da zona portuária em São Vicente, com o propósito exclusivo de conservar o peixe dos navios da empresa. A Enapor disponibilizou uma área de 2.000 m2 para esta instalação de frio num processo negocial em que Cabo Verde cedeu também um espaço no cais da ex-Interbase ao apoio logístico regional à frota de pesca da mesma concessionária.

A construção da estrutura de frio surge de uma necessidade que a companhia CNFC sentiu de ter uma instalação de apoio em São Vicente a partir do momento em que começou a fazer o transbordo de pescado em caixas congeladas no Porto Grande. Do ano passado para cá, essa movimentação tem aumentado e dados da Enapor indicam que durante o primeiro semestre de 2012 a referida companhia chinesa descarregou 2.461 toneladas de pescado congelado em São Vicente e embarcou 176 "Teus", que são contentores de 20 pés de comprimento.

Após um processo de diálogo com a parte chinesa, a Enapor entendeu "disponibilizar uma área de 2.000 m2 no parque de contentores para a construção de uma instalação de frio, exclusivamente dedicada às operações da referida companhia", como informa o administrador do Porto Grande, Jorge Maurício.

No quadro desse mesmo projecto a "administração da Enapor comprometeu-se igualmente em disponibilizar um espaço correspondente a um posto de acostagem medindo 80 metros, no ‘Cais de Pesca da ex-Interbase’, destinado essencial e exclusivamente ao apoio logístico regional à frota de pesca da concessionária. O contrato é válido por um período de um ano, renovável, com a reserva de que a companhia chinesa "não poderá exercer no local indicado quaisquer actividades ou serviços que não sejam compatíveis com os indicados no contrato", a não ser que seja autorizada pela Enapor.

NEGOCIAÇÃO DIFÍCIL COM A CHINA

Essas "cedências" à companhia chinesa resultam de um difícil processo negocial desencadeado por Cabo Verde há cerca de cinco anos para convencer Pequim a investir nas operações portuárias e no estaleiro naval da Cabnave, na ilha do Monte de Cara. Uma operação que envolve contactos ao mais alto nível, com a ministra das Finanças a assumir papel de protagonistas.

De resto, a visita que o primeiro-ministro, José Maria Neves, acaba de efectuar ao gigante asiático enquadra-se precisamente neste esforço de Cabo Verde de realizar "contactos estratégicos", com o objectivo de convencer de vez os chineses a fazer de São Vicente um ponto estratégico de transbordo e reparação de navios.

Tanto assim é que o primeiro-ministro aproveitou a visita à cidade de ShenZhen, no sul da China, para buscar parcerias com propósito de pôr de pé a construção do projecto do porto de águas profundas em São Vicente, considerado um projecto estratégico para a dinamização da economia marítima na ilha e no país. A holding gestora do Porto de Yantan, que se posiciona como o maior porto de contentores do mundo com um "trânsito" de cerca de 10 milhões de contentores por ano, mostrou interesse em colaborar com Cabo Verde.

Só que, ao que tudo indica, a atracção dos investimentos chineses para este arquipélago está longe de entrar nos trilhos desejados por Cabo Verde. O próprio primeiro-ministro reconheceu as dificuldades de fechar o contrato com a companhia de pesca chinesa CNFC para a privatização ou reestruturação da Cabnave. Em declaração à imprensa durante a visita à China, José Maria Neves referiu mesmo que o seu Governo mantém vários cenários em aberto para os estaleiros navais, admitindo a hipótese de negociar com outras empresas formas de prestação de serviço se a privatização não se concretizar.

O certo é que a CNFC vai avançar com a sua própria instalação de frio em São Vicente, enquanto os empresários e operadores de pesca cabo-verdianos ainda aguardam a construção da chamada nova Interbase prometida pelo Governo logo após o incêndio das antigas instalações, em Setembro de 2008. O contrato para a edificação dessa infra-estrutura financiada pela Espanha já está assinado, devendo as obras arrancarem ainda este ano.

fonte




Data: 2012-07-30

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)