Início > Artigo > Frutos do mar



ESTÓRIAS CONTADAS PELOS NAVIOS NEGREIROS NAUFRAGADOS

Frutos do mar


Os sítios arqueológicos formados pelos navios negreiros naufragados contam histórias que não estão nos livros. Neles são feitas descobertas importantes para a memória recente de países ex-escravocratas como o Brasil. Um exemplo são os estudos levantados nos restos do brigue norte-americano Camargo, um navio negreiro que foi incendiado próximo ao Rio de Janeiro. Essa investigação foi realizada pelo Núcleo de Estudos Estratégicos da Universidade Estadual de Campinas [2004-2007], e chegou a revelar detalhes preciosos sobre a embarcação que carregava vários cativos moçambicanos e foi incendiada depois que os desembarcou no litoral do Rio de Janeiro.

Para a Arqueologia Subaquática, um sítio como o do brigue Camargo, que representa algo que deixou de existir de repente, pode funcionar como uma cápsula do tempo. Ele resgata um momento interrompido de 1852, que fora revisitado por meio de diversos testemunhos da época, e se vale dos restos materiais encontrados – como o próprio casco do navio – para confirmar e/ou contradizer muito da documentação textual existente e produzida.

Uma das principais contribuições dadas pela Arqueologia Subaquática, ao estudar naufrágios como esse, foi a de inserir definitivamente os grupos étnicos oriundos da costa oriental da África, principalmente da região de Moçambique, na construção das identidades negras e afro-brasileiras, como também nas identidades nacionais do Brasil. Ao longo da historiografia, elas vinham sendo negligenciadas e diminuídas em seus aspectos culturais e tecnológicos diante dos estudos dos grupos da África Ocidental, a exemplo dos iorubás do sudoeste da Nigéria e dos ewe-fons do Golfo do Benim.

Mas são poucos os estudos desse tipo levados adiante pela Arqueologia Subaquática em todo o mundo. Talvez pela dificuldade relativa ao transporte marítimo de escravos africanos. Antes que esses levantamentos pudessem ser feitos, foi em pinturas como “Negrosnoporão” (1835), de Johann Moritz Rugendas (1802-1858), que a questão da diversidade dos navios envolvidos com o tráfico veio à tona. O quadro reforça a imagem romântica do interior das embarcações que trouxeram forçosamente milhares de escravos para o Brasil, mas não retrata corretamente o espaço que lhes era designado, assim como as divisões e compartimentos da embarcação.

Segundo o arquiteto francês Jean Boudriot, essas naus se dividiam em três níveis: o porão, para o armazenamento da água e dos víveres; a falsa coberta, para a carga humana; e a coberta, para a tripulação. Essa descrição do esquema de organização dos navios negreiros provém do estudo de fontes documentais francesas do século XVIII. Mais especificamente do desenho esquemático feito pelo inglês Robert Walsh (1772-1852) em 1828, depois que ele visitou o negreiro brasileiro Veloz, interceptado ainda na África pelo navio em que viajava.

Ao longo dos séculos em que se deu o tráfico marítimo de africanos, uma enorme gama de embarcações, de diferentes tipos e tamanhos, foi utilizada para realizar esse trabalho. Algumas eram construídas especificamente para esse tipo de comércio, enquanto outras, já antigas, acabavam sendo adaptadas para transportar cativos – coisa que acontecia na maioria das vezes. Durante os cerca de trezentos anos em que vigorou o sistema escravista internacional, novas técnicas de construção naval foram aprimoradas e tecnologias de navegação foram desenvolvidas, como a propulsão a vapor.

Toda essa modernização coincidiu com um momento em que o tráfico de escravos começou a ser bastante combatido mundo afora. Mesmo assim, ele resistiu por um bom tempo, pois era, no fim das contas, um dos negócios mais lucrativos que havia naqueles tempos. A exportação de escravos dos portos de Moçambique para a América, por exemplo, só fez crescer no final do século XVIII. Até que, em dezembro de 1852, o brigue norte-americano Camargo ancorou no Porto Bracuí – na Ilha Grande, sul do Rio de Janeiro – e descarregou pouco mais de 500 africanos vindos de Quelimane, em Moçambique. Depois disso, ele foi imediatamente incendiado pela tripulação.

Os negros escravizados de Moçambique, que costumavam ser embarcados nos dois portos principais do país, eram identificados como bantos. Esta categoria definia um grupo etnolinguístico que habitava principalmente a África Subsaariana e englobava cerca de 400 grupos étnicos diferentes, como os benguelas, os cabindas, os dembos, os rebolos, os anjicos, os macuas e os quiloas. Entre 1786 e 1794, Moçambique chegou a embarcar cerca de 5.400 escravos por ano em navios negreiros para as Américas. Esse comércio foi bastante intensificado no século XIX. Já na primeira década, dez mil escravos foram exportados, número que aumentou para 60 mil na década seguinte e para 100 mil na terceira e na quarta. Cerca de quatro mil africanos percorriam a rota Quelimane-Rio de Janeiro anualmente, entre 1820 e 1832.

Quando o tráfico de escravos foi proibido no Brasil em 1831, adotado sob forte pressão inglesa, muitos navios passaram a hastear a bandeira norte-americana com o intuito de evitar a repressão da Inglaterra. Essa foi uma das alternativas encontradas para a continuação do comércio entre Moçambique e o Rio de Janeiro. O próprio relatório apresentado à Assembleia Geral Legislativa do Rio de Janeiro em 1853 informa que no brigue Camargo havia um inglês, um espanhol e dois norte-americanos. Como os traficantes vinham perdendo cada vez mais prestígio social e ganhando a conotação de piratas diante das elites, a eliminação de provas evitava constrangimentos para aqueles que estavam diretamente envolvidos naquele comércio ilegal.

O episódio repercutiu significativamente na época, pelo fato de o brigue ter sido considerado um dos últimos navios que desembarcaram escravos com sucesso no Brasil. Curiosamente, seu comandante, o também norte-americano Nathaniel Gordon, do Maine, depois de dez anos do feito em águas brasileiras, se tornaria o primeiro e único traficante a ser executado nos Estados Unidos.

Para muitos estudiosos, o sistema que trouxe milhões de africanos e africanas de diversas etnias para as Américas não pode ser definido simplesmente como “tráfico”. O termo “diáspora” se presta melhor para definir um processo que era, de fato, um circuito transatlântico que ia além dos aspectos comerciais. Da mesma forma, a definição de “carga humana” é limitada para dar vazão à contribuição social, cultural, econômica, tecnológica, religiosa e política dada por milhares de indivíduos – crianças, mulheres, homens, idosos – que desembarcaram nos portos brasileiros e por toda a América ao longo de séculos de navegação. Dessa forma, os restos de naufrágios são os grandes monumentos da diáspora; microcosmos sociais de importância internacional que reúnem na mesma embarcação múltiplas identidades e experiências.

Mas só foi possível chegar a muitas dessas conclusões por meio de investigações em sítios arqueológicos formados pelos restos de navios negreiros naufragados. Descobertas como a do brigue Camargo acabaram contribuindo para pôr em prática a Lei 10.639, de 2003. Sancionada pelo Congresso Nacional, ela foi responsável pela inclusão do estudo de História e Cultura Afro-Brasileira no currículo do ensino fundamental e médio de escolas oficiais e particulares. Com tudo isso, a Arqueologia Subaquática se mostra como uma ferramenta de denúncia política e de reparação ao esquecimento, capaz de fazer emergir, do fundo de nossas memórias, um passado que se desdobra de diversas formas em nosso presente. Afinal, ainda existem outros navios naufragados na região da Ilha Grande, bem mais antigos que o brigue Camargo.

 

Gilson Rambellié professor da Universidade Federal de Sergipe e autor de Arqueologia até debaixo d’água (Maranta, 2002).

 

Luciana de Castro Nunes Novaesé pesquisadora do Laboratório de Arqueologia de Ambientes Aquáticos da Universidade Federal de Sergipe.

 

Saiba Mais - Bibliografia

 

FUNARI, P. P.; CARVALHO, A. V. Palmares: ontem e hoje. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

LOVEJOY, Paul. A escravidão na África. Uma história de suas transformações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

WALSH, Robert. Notícias do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1985.

 

Saiba Mais - Internet

Biblioteca Nacional Digital:

http://bndigital.bn.br

 

Saiba Mais - Filme

“Amistad”, de Steven Spielberg, 2006.

fonte
 


 



Data: 2012-06-02

Artigos relacionados:

  • Camões com dendê
  • Angola anexada pelos brasileiros?
  • África, o retorno
  • Comandante que incendiou o navio preso a 5 de Janeiro de 1863
  • Ex-escravos: migração da forma do Brasil para África
  • «Escravidão» de europeus no Brasil Imperial é tema de mostra

  •  Vídeo

    Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

     “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

     VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

     IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

     IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

     Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

     VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

     VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

     VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

     Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

     Mindelo e São Vicente com muita morabeza

     Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

     Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

     VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

     Porto de Luanda - 1955

     Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

     Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

    Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)