Início > Artigo > Primeiro navio no porto de Santos, em 1892



VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Primeiro navio no porto de Santos, em 1892


A data de 2 de Fevereiro de 1892 marca a entrega do primeiro trecho de 260 metros de cais construído, inaugurado com a atracação do cargueiro Nasmyth, navio a vapor da armadora inglesa Lamport & Holt. Até então, o porto era constituído de trapiches de madeira erguidos em diversos pontos ao longo da bacia do estuário e às margens da antiga cidade.

Dentre esses trapiches, o da Estrada de Ferro, situado no chamado Porto do Bispo, na região do Valongo, era um dos principais ancoradouros , o mais próximo à estação da São Paulo Railway, e tornou-se o primeiro trecho de cais construído.

A obra representou a superação de grandes dificuldades técnicas, que durante muitos anos desafiaram a capacidade de realização dos brasileiros e levaram ao insucesso diversas tentativas anteriores de construção do porto, tanto de particulares como da então Província de São Paulo, que havia obtido, desde 1870, autorização para execução das obras.

Somente em 1886, um grupo liderado pelos brasileiros Cândido Gafrée e Eduardo Palassin Guinle obteve a concessão para construção exploração do Porto de Santos.
O empreendimento, sob a direção do engenheiro Benjamin Weinschenck, alcançou sucesso. O prazo de concessão foi, então, ampliado para 90 anos.

O Porto de Santos, que teve sua origem vinculada ao comércio do café, contribuiu para a melhoria das condições sanitárias da região, desempenhou papel preponderante no desenvolvimento industrial do estado de São Paulo e do Brasil e continua participando, expressivamente, nas transações comerciais efetuadas com o mercado externo - cerca de 26% da balança comercial do país é movimentada por Santos.
Além de toda importância para o desenvolvimento econômico, viabilizando o comércio marítimo a partir de Santos e do marco que se tornou para a engenharia portuária, a construção do Porto de Santos representou, ainda, a solução para o grande problema de epidemias que assolavam a região devido, principalmente, à insalubridade que a área estuarina representava no final do século passado, juntamente com a enorme região de várzea na cidade.

O Porto de Santos sempre representou o papel do grande agente propulsor do desenvolvimento, influindo diretamente também na expansão econômica de todo planalto paulista, compondo, junto com a ferrovia, a primeira grande cadeia logística que viabilizou o comércio marítimo do café e permitiu a implantação e o desenvolvimento industrial e agrícola da principal região econômica do Brasil. Hoje, Santos, com cerca de 14 quilômetros de cais, concentra em sua área de influência cerca de 70 milhões de habitantes, 67% do PIB do país e 70% da balança comercial.

MAIS DETALHES
 




Data: 2012-02-01

Artigos relacionados:

  • Porto de Santos comemora 120 anos

  •  Vídeo

    Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

      Portos do Brasil - NEWS

     Portos de Cabo Verde – News

     Portos de Moçambique – News

     Portos de Angola – News

     Portos de Portugal – News

     XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 - Disponíveis todas as apresentações

     XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 | Playlist com 23 vídeos no Youtube

     Acórdãos e Avisos da ANTAQ + Legislação avulsa

     Clipping com a actualidade dos portos brasileiros

     XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alberto Bengue, Presidente da APANG

     XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Miguel Matabel

     XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alcídio Nascimento

     XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Ted Lago

     XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Fátima Alves

     XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Nuno Araújo

     XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Lucas Rênio

     VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

     IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

     IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

     Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

     Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

    Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)