Início > Artigo > Angola, Moçambique e Cabo Verde ganham centros de distribuição dos produtos do Brasil



Angola, Moçambique e Cabo Verde ganham centros de distribuição dos produtos do Brasil


Angola, Moçambique e Cabo Verde vão ganhar centros de distribuição para facilitar o comércio de produtos da região nordeste do Brasil, disse à Agência Lusa o director da Ceará Trade Brasil.

O centro de Angola deverá começar a funcionar ainda este ano, com o envio de um primeiro contentor antes do Natal, informou Roberto Marinho. A Ceará Trade Brasil é uma das empresas responsáveis pela iniciativa, ao lado de parceiros africanos.

Em Cabo Verde e Moçambique, a expectativa é de que as operações iniciem já no primeiro trimestre de 2012. No início, o foco da operação centra-se em produtos que já têm uma fileira industrial consolidada no Nordeste brasileiro: confecções, cosméticos, calçados, móveis e material de construção.

O projecto tem como objectivo minimizar os problemas com a logística, que é o principal entrave ao aumento nas vendas de produtos brasileiros em África. Marinho afirma que, actualmente, o tempo entre a compra e a entrega do produto pode chegar a 80 dias.

"Esse projecto é baseado em exportações que já fizemos. É um modelo para dinamizar e uniformizar essas exportações, tornando-as regulares", disse o responsável.

A ideia é não apenas abastecer o mercado africano, mas também permitir que marcas brasileiras se consolidem naqueles países. Para isso, é necessário que seja estabelecido um fluxo contínuo de comércio.

Além de fazer as exportações, o projecto actuará na nacionalização dos produtos na África e na capacitação dos revendedores africanos, através de um processo que Marinho chama de "franquia flexível".

"Através da franquia flexível, vamos passar conhecimento e capacitação para as empresas africanas, que poderão montar negócios para vender os produtos que estão no centro de distribuição", afirmou o empresário, que também é presidente da Câmara de Comércio Brasil-Angola.

"Com isso, fazemos a exportação e agrega valor ao produto", completou. Segundo o responsável, o trabalho de capacitação ajudará a criar emprego e rendimentos nos mercados consumidores.

As empresas de vários estados do Nordeste do Brasil vão participar do projecto, a maioria de pequeno e médio porte. Parte delas nunca exportou.

Como essas companhias têm pouco fôlego financeiro, os responsáveis pelo projecto negociam o suporte de bancos africanos para minimizarem o risco para os fornecedores brasileiros.

As declarações de Marinho foram feitas durante o Encontro de Negócios na Língua Portuguesa, realizado na cidade de Fortaleza.

FONTE




Data: 2011-10-19

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família