Início > Artigo > Cientistas identificaram «tsunami» de vírus desconhecidos no oceano



Cientistas identificaram «tsunami» de vírus desconhecidos no oceano


Uma análise do material genético no oceano identificou milhares de vírus de ARN anteriormente desconhecidos e duplicou o número de filos, ou grupos biológicos, de vírus que se acredita existirem.

Os vírus de ARN são mais conhecidos pelas doenças que causam nas pessoas, desde a constipação até à covid-19. Eles também infetam plantas e animais importantes para as pessoas.

Estes vírus carregam as suas informações genéticas em ARN, em vez de ADN. Os vírus de ARN evoluem a taxas muito mais rápidas do que os vírus de ADN. Enquanto os cientistas catalogaram centenas de milhares de vírus de ADN nos seus ecossistemas naturais, os vírus de ARN têm sido relativamente pouco estudados.

Os investigadores decidiram identificar o gene que codifica uma determinada proteína que permite que um vírus replique o seu material genético. É a única proteína que todos os vírus de ARN compartilham, porque desempenha um papel essencial na forma como se propagam. Cada vírus de ARN, no entanto, tem pequenas diferenças no gene que codifica a proteína que pode ajudar a distinguir um tipo de vírus de outro.

Depois, selecionaram um banco de dados de sequências de ARN de plâncton recolhidas durante o projeto de expedições Tara Oceans. Plâncton são uma parte vital das teias alimentares oceânicas e são hospedeiros comuns de vírus de ARN. A triagem identificou mais de 44.000 genes que codificam a proteína do vírus.

O desafio seguinte foi determinar as conexões evolutivas entre esses genes. Quanto mais semelhantes dois genes fossem, mais provavelmente os vírus com esses genes estavam intimamente relacionados.

Como essas sequências evoluíram há muito tempo, os sinais genéticos que indicavam onde novos vírus se podem ter separado de um antepassado em comum foram perdidos no tempo.

O machine learning permitiu organizar sistematicamente essas sequências e detetar diferenças de forma mais objetiva do que se a tarefa fosse feita manualmente.

Foi identificado um total de 5.504 novos vírus de ARN marinhos e foi duplicado o número de filos de vírus de ARN conhecidos de cinco para dez.

O mapeamento dessas novas sequências revelou geograficamente que dois dos novos filos eram particularmente abundantes em vastas regiões oceânicas, com preferências regionais em regiões de águas tropicais ou temperadas, e no Oceano Ártico.

Os cientistas acreditam que Taraviricota pode ser o elo perdido na evolução dos vírus de ARN que os investigadores há muito procuram, conectando dois ramos conhecidos diferentes de vírus de ARN que divergiram na forma como se replicam.

Estas novas sequências ajudam os cientistas a entender melhor não apenas a história evolutiva dos vírus de ARN, mas também a evolução da vida primitiva na Terra.

fonte




Data: 2022-05-07

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

  Portos do Brasil - NEWS

 Portos de Cabo Verde – News

 Portos de Moçambique – News

 Portos de Angola – News

 Portos de Portugal – News

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 - Disponíveis todas as apresentações

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 | Playlist com 23 vídeos no Youtube

 Acórdãos e Avisos da ANTAQ + Legislação avulsa

 Clipping com a actualidade dos portos brasileiros

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alberto Bengue, Presidente da APANG

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Miguel Matabel

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alcídio Nascimento

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Ted Lago

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Fátima Alves

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Nuno Araújo

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Lucas Rênio

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)