Início > Artigo > Várias cidades em todo o mundo ficarão submersas



FUTURO SUBAQUÁTICO

Várias cidades em todo o mundo ficarão submersas


O aquecimento global está a provocar a subida do nível médio da água do mar. E já existem imagens que mostram o cenário vivido em várias cidades costeiras no futuro.

Secas históricas, inundações mortíferas e degelo: tudo resulta do aquecimento global, que está também a causar a subida do nível da água do mar.

Um novo estudo da Climate Central, um grupo de investigação sem fins lucrativos, mostra que cerca de 50 grandes cidades costeiras terão de implementar medidas de adaptação “sem precedentes” para evitar que sejam “engolidas” pelo mar.

A análise, em colaboração com investigadores da Universidade de Princeton e do Instituto Potsdam de Investigação do Impacto Climático na Alemanha, resultou em imagens que mostram o contraste entre o mundo tal como o conhecemos hoje e o seu futuro subaquático, caso o planeta aqueça 3ºC acima dos níveis pré-industriais.

De acordo com a CNN, que cita cientistas climáticos, o mundo já está cerca de 1,2ºC mais quente do que os níveis pré-industriais. Mas as temperaturas deveriam permanecer abaixo dos 1,5ºC — um limiar crítico para evitar os impactos mais severos da crise climática.

Mas mesmo no cenário mais otimista, em que as emissões globais de gases com efeito de estufa começam a diminuir e são reduzidas a zero até 2050, a temperatura global ainda atingirá o pico acima do limiar de 1,5ºC antes de começar a baixar.

Em cenários menos otimistas, em que as emissões continuam a subir para além de 2050, o planeta poderá atingir a subida de 3ºC já em 2060 ou 2070, e os oceanos continuarão a subir durante décadas para além disso, antes de atingirem os níveis máximos.

“As escolhas de hoje vão definir o nosso caminho”, disse Benjamin Strauss, cientista chefe da Climate Central e autor principal do artigo.

Os investigadores utilizaram dados de elevação global e populacionais para averiguar quais as partes do mundo que serão mais vulneráveis à subida do nível do mar — e estas tendem a concentrar-se na região da Ásia-Pacífico.

Pequenas ilhas correm o risco de “perda quase total” de território e oito das dez maiores áreas expostas à subida do nível do mar encontram-se na Ásia, com aproximadamente 600 milhões de pessoas a ficar expostas à inundação, num cenário de aquecimento de 3ºC.

Segundo o estudo, China, Índia, Vietname e Indonésia são os cinco países mais vulneráveis à subida do nível do mar a longo prazo.

Com cada fração de um grau de aquecimento, as consequências das alterações climáticas agravam-se e, mesmo limitando o aquecimento a 1,5ºC, os cientistas dizem que os tipos de clima extremo que o mundo sofreu este Verão se tornarão mais severos e mais frequentes.

Para além dos 1,5ºC, o sistema climático pode ficar irreconhecível.

De acordo com a Climate Central, cerca de 385 milhões de pessoas vivem atualmente em locais que serão eventualmente inundadas pela maré alta, mesmo que as emissões de gases com efeito de estufa sejam reduzidas.

Se o aquecimento for limitado a 1,5ºC, a subida do nível do mar afetaria locais habitados por 510 milhões de pessoas.

Se o planeta atingir os 3 graus, a linha da maré alta poderá invadir território, onde vivem mais de 800 milhões de pessoas, constata o estudo.

Os autores observam, no entanto, que a avaliação foi feita sem dados globais sobre as defesas costeiras existentes, tais como diques. Devido aos impactos observados com as recentes inundações e tempestades, as cidades irão provavelmente renovar as infra-estruturas para evitar o agravamento dos impactos.

“Níveis mais elevados de aquecimento exigirão o abandono [de território] sem precedentes em dezenas de grandes cidades costeiras de todo o mundo”, escreveram os autores.

Mas a contagem poderia ser reduzida, se o Acordo de Paris fosse cumprido, especialmente no que diz respeito à limitação do aquecimento a 1,5ºC, continuaram.

Durante as duas primeiras semanas de novembro, os líderes mundiais reunir-se-ão para discutir as medidas sobre o clima promovidas pela ONU em Glasgow, na Escócia. Em cima da mesa estará não só a limitação das emissões de gases com efeito de estufa, mas também o financiamento das nações para reduzir os combustíveis fósseis e para o mundo se adaptar aos impactos da crise climática.

A menos que sejam tomadas medidas arrojadas e rápidas, os eventos climáticos extremos e a subida do nível do mar, alimentada pelas alterações climáticas, irão fazer parte do futuro da Terra. Os cientistas dizem que o planeta está a ficar sem tempo para evitar estes cenários pessimistas.

FONTE
 


 



Data: 2021-11-01

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

  Portos do Brasil - NEWS

 Portos de Cabo Verde – News

 Portos de Moçambique – News

 Portos de Angola – News

 Portos de Portugal – News

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 - Disponíveis todas as apresentações

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 | Playlist com 23 vídeos no Youtube

 Acórdãos e Avisos da ANTAQ + Legislação avulsa

 Clipping com a actualidade dos portos brasileiros

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alberto Bengue, Presidente da APANG

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Miguel Matabel

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alcídio Nascimento

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Ted Lago

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Fátima Alves

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Nuno Araújo

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Lucas Rênio

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)