Início > Artigo > Petrolíferas africanas querem boicotar quem desinvestir na indústria energética local



Petrolíferas africanas querem boicotar quem desinvestir na indústria energética local


A Câmara Africana de Energia (CAE) anunciou que está a recomendar aos parceiros africanos que boicotem as empresas e instituições que querem desinvestir na indústria do petróleo e gás no continente devido a preocupações ambientais.

“Em resposta ao declínio do interesse nos projectos africanos de petróleo e gás, particularmente quando as nações ocidentais continuam a impedir os investimentos nos combustíveis fósseis africanos, a CAE declara que vai incentivar os países africanos a boicotarem ou refrearem os acordos com as companhias internacionais que descontinuem investimentos e rejeitem a indústria petrolífera africana”, lê-se numa nota enviada à Lusa.

No texto, a CEA, que representa os interesses petrolíferos no continente, argumenta que “não há razão para investir os fundos de pensões africanos ou fazer negócios com instituições financeiras que se recusam a investir nas empresas energéticas africanas por causa da mudança climática”, e salienta que “as instituições financeiras que discriminam a indústria do petróleo e gás africana em nome da mudança climática estão erradas e precisam desesperadamente de mudar o enquadramento mental e as suas ações”.

A nota da CEA surge no seguimento de várias comunicações por parte de entidades como o Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento, Royal Bank da Escócia e Agência Internacional da Energia, entre outras, que afirmaram que deixarão de financiar projetos que não são considerados ‘amigos do ambiente’, o que tem um impacto particularmente significativo em África, o continente que menos contribui para a emissão de gases com efeito de estufa.

“Como é possível que, no seguimento do estabelecimento de novos enquadramentos legais em países como Nigéria, Angola ou Senegal, que a comunidade internacional exigiu, as mesmas organizações decidam agora acabar com os investimentos” nesta área, questionam os representantes dos produtores energéticos africanos.

Os países africanos “não vão encostar-se e deixar que as elites africanas e as instituições financeiras destruam a nossa indústria energética e as oportunidades para a criação de empregos, que permitem combater a pobreza energética”.

Na nota, a CAE reconhece a importância de fazer a transição para uma produção energética mais sustentável e menos baseada nos combustíveis fósseis, mas argumenta que a transição é um processo e lembra que África produz sete vezes menos poluentes que a China e menos quatro vezes que os Estados Unidos da América.

“A transição energética em África é apenas isso, uma transição, ou seja, um processo ou período de mudança de um estado para outro, acabar de forma abrupta com todo o investimento na indústria energética africana não vai permitir aos países africanos gerarem os fundos necessários para mudarem para soluções de energia renováveis no futuro”, argumentam.

E concluem que “ao boicotar os combustíveis fósseis, a comunidade internacional está essencialmente a boicotar o desenvolvimento em África, eliminando a oportunidade para uma transição e deixando milhões de africanos em pobreza energética”.

fonte
 




Data: 2021-07-18

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Francisca Chambal

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Robledo Gioia

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Sandra Augusto

 VI CONGRESSO DA APLOP - Abertura do Painel I - Lídia Sequeira

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Adriano Rosamonte

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Augusto Fernando Cabi

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Madalena Neves

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Fernando Nunes da Silva

 Congresso Intercalar Portos CPLP - Rio de Janeiro – Domingos Fortes (1)

 “EXPERIÊNCIA DO PORTO DE LEIXÕES NA FORMAÇÃO PORTUÁRIA”- Matos Fernandes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP – Menção Honrosa a Lima Torres

 IV Encontro de Portos da CPLP - Sessão de encerramento - Franklim Spencer

 “GEOPOLÍTICA DO MAR” - Carlos Manuel Mendes Dias (1)

 Novo Porto do Dande - Domingos Fortes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP - Franklin Spencer

 «Há muito potencial de crescimento nas relações comerciais Portugal/Brasil» (1)

 Porto de Luanda - 1955

 III Encontro de Portos da CPLP - Adalmir José de Sousa

 III Encontro de Portos da CPLP – Apresentação da Mesa de Honra

 III Encontro de Portos da CPLP - Estudo de mercado - (13) – Debate

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família