Início > Artigo > Estudo mostra que o navio Mary Rose tinha uma tripulação multiétnica



Estudo mostra que o navio Mary Rose tinha uma tripulação multiétnica


A análise dos restos mortais de parte da tripulação do navio de guerra Mary Rose, o favorito do rei Henrique VIII de Inglaterra, mostra a diversidade que já existia no período Tudor.

O navio de guerra Mary Rose afundou, a 19 de julho de 1545, ao largo de Portsmouth, durante a Batalha do Solent, tendo levado à morte da maioria dos seus 415 tripulantes. Em 1982, foi trazido à superfície e foram encontrados não só restos mortais de pelo menos 179 pessoas, como também milhares de objetos, desde armas e ferramentas a jogos.

Agora, conta o jornal The Guardian, o estudo mais aprofundado já alguma vez feito de alguns destes restos mortais mostra que a sociedade Tudor era mais diversa do que se pensava.


Ao combinar evidências sobre onde foram encontrados os restos mortais no navio com análises dos seus dentes, os investigadores conseguiram examinar a vida de oito destes homens, que morreram há quase cinco séculos.

Quatro destes tripulantes foram apelidados de arqueiro, cozinheiro, oficial e comissário, devido ao local no navio onde foram encontrados ou graças aos objetos perto dos seus restos mortais. Tanto estes como um quinto homem, conhecido como o jovem marinheiro, eram quase de certeza da Grã-Bretanha.
Publicidade
Recommendations powered by plista

Porém, três dos oito tripulantes agora estudados muito provavelmente cresceram mais a sul. Os investigadores acreditam que o chamado cavalheiro – porque foi encontrado perto de um baú que continha uma bracelete semelhante às produzidas no norte de Itália, nos séculos XIV e XV – pode ter vindo da costa do Mediterrâneo.

Os objetos encontrados na cabine dos carpinteiros, como moedas espanholas e ferramentas de estilo espanhol, sugeriram que pelo menos um deles pode ter vindo da Península Ibérica. E a análise dos restos mortais do sétimo homem, que foi encontrado perto da cabine, sugere que veio do interior do sudoeste de Espanha.

Quanto ao oitavo tripulante – conhecido como arqueiro real porque tinha uma proteção de pulso de couro com o símbolo de uma romã, associada a Catarina de Aragão, a primeira mulher de Henrique VIII –, a equipa acredita que veio da Cordilheira do Atlas, ou também possivelmente de Espanha.

Em declarações ao diário britânico, Alexzandra Hildred, líder da investigação e curadora da artilharia e dos restos humanos do Mary Rose Trust, contou que o número de objetos recuperados do navio que não foram feitos em Inglaterra já sugeria que alguns dos tripulantes eram estrangeiros.

“No entanto, nunca esperámos que essa diversidade fosse tão rica. Este estudo transforma as nossas ideias sobre a composição da primeira marinha inglesa”, declarou.

ZAP


 



Data: 2021-05-15

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Francisca Chambal

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Robledo Gioia

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Sandra Augusto

 VI CONGRESSO DA APLOP - Abertura do Painel I - Lídia Sequeira

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Adriano Rosamonte

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Augusto Fernando Cabi

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Madalena Neves

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Fernando Nunes da Silva

 Congresso Intercalar Portos CPLP - Rio de Janeiro – Domingos Fortes (1)

 “EXPERIÊNCIA DO PORTO DE LEIXÕES NA FORMAÇÃO PORTUÁRIA”- Matos Fernandes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP – Menção Honrosa a Lima Torres

 IV Encontro de Portos da CPLP - Sessão de encerramento - Franklim Spencer

 “GEOPOLÍTICA DO MAR” - Carlos Manuel Mendes Dias (1)

 Novo Porto do Dande - Domingos Fortes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP - Franklin Spencer

 «Há muito potencial de crescimento nas relações comerciais Portugal/Brasil» (1)

 Porto de Luanda - 1955

 III Encontro de Portos da CPLP - Adalmir José de Sousa

 III Encontro de Portos da CPLP – Apresentação da Mesa de Honra

 III Encontro de Portos da CPLP - Estudo de mercado - (13) – Debate

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012