Início > Artigo > Mais de 100 mil cetáceos mortos por ano para servir de isco



Mais de 100 mil cetáceos mortos por ano para servir de isco


Mais de 100 mil cetáceos são mortos por ano, apenas para servir de isco para a pesca. É o caso não só de golfinhos, mas também de pequenas baleias, ou botos (pequenos cetáceos), de acordo com um relatório da Pro Wildlife, da Whale and Dolphin Conservation (WDC) e do Animal Welfare Institute (AWI), intitulado «Pequenos Cetáceos, Grandes Problemas».

Ao contrário do que se pensa, Sandra Alther, uma das investigadoras do estudo, refere que esta é uma prática mais comum em países como o Perú, a Nigéria e Madagáscar, do que no Japão (que se encontra em 10º lugar) ou nas Ilhas do Faroé. De acordo com o relatório, só os pescadores do Perú matam 15 mil golfinhos por ano para servir de isco. Entre outros países, que matam cerca de mil cetáceos anualmente, como o Brasil, Canadá, Groenlândia (território da Dinamarca), Gana, Guatemala, Índia, Indonésia, Japão, Madagáscar, Malásia, Nigéria, Coreia, Ilhas Salomão, Sri Lanka, Venezuela e Taiwan.

Ainda para mais, investigadores referem que estas práticas são levadas a cabo de uma forma primitiva, com arpões com explosivos que, perfurando a pele das baleias, explodem dentro delas, provocando-lhes um sofrimento contínuo. Até porque muitas vezes são atingidas com mais do que um arpão, não morrendo de imediato.

Note-se que segundo um relatório de 2004 da Convention on the Conservation of Migratory Species of Wild Animals (CMS), 45 espécies de pequenos cetáceos já estavam em vias de extinção e 56 eram espécies caçadas com regularidade.

O próximo passo nesta luta é a reunião da Comissão Internacional da Baleia em Florianópolis, no Brasil, prevista para 10 de Setembro, onde o grupo solicitará protecção para os pequenos cetáceos.

fonte


 



Data: 2018-08-30

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alberto Bengue, Presidente da APANG

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alcídio Nascimento

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Ted Lago

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Fátima Alves

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Nuno Araújo

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Lucas Rênio

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Francisca Chambal

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Robledo Gioia

 VI CONGRESSO DA APLOP - Abertura do Painel I - Lídia Sequeira

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Congresso Intercalar Portos CPLP - Rio de Janeiro – Domingos Fortes (1)

 “EXPERIÊNCIA DO PORTO DE LEIXÕES NA FORMAÇÃO PORTUÁRIA”- Matos Fernandes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP – Menção Honrosa a Lima Torres

 IV Encontro de Portos da CPLP - Sessão de encerramento - Franklim Spencer

 “GEOPOLÍTICA DO MAR” - Carlos Manuel Mendes Dias (1)

 Novo Porto do Dande - Domingos Fortes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP - Franklin Spencer

 «Há muito potencial de crescimento nas relações comerciais Portugal/Brasil» (1)

 Porto de Luanda - 1955

 III Encontro de Portos da CPLP - Adalmir José de Sousa

 III Encontro de Portos da CPLP – Apresentação da Mesa de Honra

 III Encontro de Portos da CPLP - Estudo de mercado - (13) – Debate

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)