Início > Artigo > Associação dos Portos de Portugal defende marca comum da lusofonia



Associação dos Portos de Portugal defende marca comum da lusofonia


O Presidente da Associação dos Portos de Portugal defende a criação de uma marca comum “com requisitos mínimos de qualidade” para ser usada por todos os operadores nos portos lusófonos e facilitar as trocas comerciais.

Em entrevista à Lusa a propósito do VIII Congresso dos Portos de Língua Portuguesa, Vitor Caldeirinha (na foto) considerou que uma das medidas mais importantes para facilitar a movimentação da carga nos portos lusófonos, e assim aumentar as trocas comerciais, é “criar uma marca de qualidade que implique requisitos mínimos de qualidade e procedimentos padronizados”, a serem seguidos por clientes, carregadores e armadores e agentes de navegação”.

Para o também presidente do Porto de Setúbal, a “facilitação de procedimentos aduaneiros nos portos” é outra das medidas que devia ser equacionada para facilitar a movimentação de carga nos portos dos países lusófonos.

Na preparação para o congresso, na quinta e na sexta-feira em Maputo, Vitor Caldeirinha explicou à Lusa que os temas em destaque incluem “a análise dos novos projetos portuários e logísticos no espaço da CPLP, facilitação de procedimentos aduaneiros nos portos da CPLP, criação da marca de qualidade dos portos da CPLP, formação e cooperação técnica entre portos, estudo de mercado dos portos da CPLP e cooperação entre armadores lusófonos no espaço Atlântico”.

Questionado sobre se a nova pauta aduaneira, que entrou em vigor em meados do ano passado, e a descida do preço do petróleo, no final de 2014, já tiveram efeito na atividade portuária de Angola, Vitor Caldeirinha admitiu que “nota-se algum efeito nos portos com a redução do preço do petróleo a nível internacional”, mas salientou que, de forma geral, a qualidade do serviço está a melhorar nos portos lusófonos.

“Nos últimos anos, é notória uma melhoria da qualidade do serviços portuários nos portos de todos os países da CPLP, o que tem contribuído para um incremento dos movimentos de bens”, disse o responsável, concluindo que “o encontro em Maputo visa melhorar o contexto para incrementar e facilitar mais as trocas para o futuro”.

fonte


 



Data: 2015-03-26

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012