Início > Artigo > Países do Golfo da Guiné reclamam coordenação na luta contra a pirataria



Países do Golfo da Guiné reclamam coordenação na luta contra a pirataria


Um ano após o compromisso para acabar com a pirataria no Golfo da Guiné, os países da região continuam à procura de soluções para coordenar as ações de combate. A situação ao largo de toda a costa que se prolonga do Senegal até Angola é neste momento mais preocupante do que no Golfo de Aden.

O contrabando, o sequestro de cargueiros para roubo de carga e de combustível, muitas vezes usado na pesca ilegal, estão a atingir de forma drástica a economia dos países da região.

Entre janeiro e setembro, o Golfo da Guiné registou 33 atos de pirataria e assaltos, de acordo com o Gabinete Marítimo Internacional (IMB na sigla em inglês).

De acordo com o IMB, os piratas que operam ao largo da Nigéria, Togo e Benim fazem parte de grupos violentos "fortemente armados".

Muitas vezes os membros das tripulações são mantidos como reféns e são alvo de atos de violência, o que faz com que as empresas de navegação estejam a evitar as águas da região do golfo.

Os transportes marítimos representam mais de 20 por cento do investimento dos países em causa, facto que está a atingir a economia de cada um dos Estados.

Na cimeira que se realizou nos Camarões em julho de 2013, os líderes regionais decidiram instalar um centro responsável pela coordenação anti-pirataria com delegações ao longo da costa.

"Os 24 chefes de Estado presentes na cimeira não estiveram nos Camarões de visita. Temos de agir e não nos podemos limitar a falar do assunto", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros dos Camarões, Pierre Moukoko Mbonjo, na segunda-feira, durante a sessão inaugural do Fórum e Paz e Segurança para África, que decorreu em Dacar, Senegal.

Mas os novos centros de luta contra a pirataria ainda não têm computadores ou ligações via satélite; os meios navais militares e as lanchas rápidas não são suficientes e a troca de informações não tem sido efetiva.

Muitas vezes os meios navais militares, da polícia e da guarda costeira atuam de forma descoordenada.

"Ao nível de cada país, temos vários serviços a trabalhar sem coordenação" disse o almirante Bara Cissokho, da Marinha de Guerra do Senegal, no fórum de Dacar.

Além do mais, muitos países da região do Golfo da Guiné estão envolvidos em conflitos de fronteiras e diferendos sobre águas territoriais e campos de petróleo.

"De que forma o Gana e a Costa do Marfim organizam patrulhas conjuntas se as fronteiras entre os dois países continuam por definir" questionou Barthelemy Blede, um investigador sobre segurança marítima do Instituto de Estudos Estratégicos de Dacar.

fonte


 



Data: 2014-12-22

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

  Portos do Brasil - NEWS

 Portos de Cabo Verde – News

 Portos de Moçambique – News

 Portos de Angola – News

 Portos de Portugal – News

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 - Disponíveis todas as apresentações

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 | Playlist com 23 vídeos no Youtube

 Acórdãos e Avisos da ANTAQ + Legislação avulsa

 Clipping com a actualidade dos portos brasileiros

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alberto Bengue, Presidente da APANG

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Miguel Matabel

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alcídio Nascimento

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Ted Lago

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Fátima Alves

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Nuno Araújo

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Lucas Rênio

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família