Início > Artigo > Programa do Banco Mundial triplicará áreas de proteção ambiental marinhas



Programa do Banco Mundial triplicará áreas de proteção ambiental marinhas


Os objetivos do projeto são criar e consolidar pelo menos 120 mil km² de novas áreas de proteção da biodiversidade, entre as quais 9.300 km² de zonas de proteção amplificada, e estabelecer pelo menos dois mecanismos financeiros para apoiar a sustentabilidade de longo prazo da Rede de Áreas de Proteção Ambiental Costeiras e Marinhas.

Nova York - Uma iniciativa pioneira mais do que triplicará a zona oceânica sob proteção ambiental no Brasil, que passará de 5,5 milhões de hectares para mais de 17,5 milhões, uma área maior do que a Grécia. O Projeto de Áreas de Proteção Ambiental Marinhas aprovado na sexta-feira (19) pela Diretoria do Banco Mundial beneficiará 43 milhões de pessoas que vivem no litoral brasileiro, uma área que compreende 514 mil km².

Os principais objetivos do projeto são criar e consolidar pelo menos 120 mil km² de novas áreas de proteção da biodiversidade, entre as quais 9.300 km² de zonas de proteção amplificada; e estabelecer pelo menos dois mecanismos financeiros para apoiar a sustentabilidade de longo prazo da Rede de Áreas de Proteção Ambiental Costeiras e Marinhas.

Financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), o projeto de US$ 18,2 milhões proporcionará amplos benefícios sociais e econômicos ao garantir a capacidade dos ecossistemas costeiros de produzir alimentos, a manutenção de uma boa qualidade da água e a resistência e recuperação em face à degradação. Além disso, a iniciativa trará mais bem estar e oportunidades para as comunidades tradicionais que dependem diretamente da pesca para a sua subsistência.

"A zona costeira é atualmente uma das regiões do Brasil mais ameaçadas em termos ambientais", afirmou Izabella Teixeira, ministra do Meio Ambiente. "A criação de áreas de conservação é fundamental para proteger a biodiversidade oceânica e manter as atividades pesqueiras que representam cerca de 800 mil empregos no país."

Atualmente, apenas 1,57% do litoral brasileiro faz parte da Rede de Áreas de Proteção Ambiental Costeiras e Marinhas (APACM), instituída pelo Governo Federal no ano 2000. Pela primeira vez, será implementada uma iniciativa não somente para expandir a APACM, mas também promover a sua sustentabilidade financeira a longo prazo com o desenvolvimento de mecanismos financeiros inovadores.

fonte


 



Data: 2014-10-05

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

  Portos do Brasil - NEWS

 Portos de Cabo Verde – News

 Portos de Moçambique – News

 Portos de Angola – News

 Portos de Portugal – News

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 - Disponíveis todas as apresentações

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 | Playlist com 23 vídeos no Youtube

 Acórdãos e Avisos da ANTAQ + Legislação avulsa

 Clipping com a actualidade dos portos brasileiros

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alberto Bengue, Presidente da APANG

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Miguel Matabel

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alcídio Nascimento

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Ted Lago

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Fátima Alves

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Nuno Araújo

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Lucas Rênio

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012