Início > Opinião

OPINIÃO, POR VINCENT MATINDE

Os cinco principais desafios de infraestrutura de TIC para a zona de livre comércio de África

A Área de Livre Comércio da África Continental (AfCFTA), onde Angola se inclui como Estado membro, é a maior zona de livre comércio do mundo. Deixamos aqui quais são os cinco principais desenvolvimentos de tecnologia e comunicação necessários para tornar esta região bem-sucedida.

Nigéria Projeto Homérico - Deep Blue

Sabemos que a existência de pirataria em alto mar é resultado da falta de segurança em terra firme. Segundo alguns críticos é perda de tempo resolver os problemas em alto mar quando não estão resolvidos os problemas em terra, mas a Nigéria tem de começar por uma ponta, e neste caso, pode ser uma qualquer, tem é de começar. É urgente ter segurança num dos mares mais perigosos do Mundo, como tal as autoridades nigerianas decidiram que a segurança em terra será o segundo passo, com a identificação de grupos e milícias que controlam o tráfico de droga e combustível.

OPINIÃO, POR BRUNO ALAMINO

Green shipping: o futuro da navegação

O que esperar da navegação daqui a 10, 20 ou 30 anos? Embarcações movidas a energia solar, já que vemos um grande avanço nos estudos desta tecnologia e sua aplicabilidade em grande escala. Ou até o uso civil da energia nuclear como fonte de propulsão. Seria leviano afirmar que essa ou aquela tecnologia será a dominante. Porém, podemos sim vislumbrar uma navegação mais eficiente de um ponto de vista energético e muito mais sustentável, reduzindo custos e impactos ambientais.

Três cenários para a recuperação da cadeia de abastecimento global

"Claro que existem diversos case studies que descrevem como as empresas recuperaram de um desastre como o tsunami no Japão em 2011 ou as cheias de 2011 em Taiwan. Mas agora enfrentamos um desafio mais grave por causa do impacto prolongado da pandemia na economia em geral e nas cadeias de abastecimento em particular." (...)

Comércio internacional, reshoring e a pandemia

Na sequência da pandemia, começa a falar-se muito dos benefícios do reshoring principalmente por parte dos políticos. No entanto, um estudo realizado pelas Universidades do Michigan, Yale e do Texas, estima que a contracção esperada no produto interno bruto provocado pelo Covid-19 seja de 31.5%, com cerca de um terço desta contracção a poder ser imputada a problemas nas supply chains. A parte interessante é que este estudo avança que, sem a componente do comércio internacional de componentes e produtos finais, a queda no produto interno bruto teria sido de 31.3%.

O reshoring ou a nacionalização das cadeias de abastecimento globais, regra geral não torna os países mais resilientes a contrações provocadas pela falta de mão de obra. Este estudo usou um modelo que mediu a produção em 64 países e 33 indústrias. A razão apontada para o resultado é que quando se deixa de depender do fornecimento de países terceiros passamos a depender de fornecimentos internos. Assim, o resultado vai depender de se saber como é que a cadeia de abastecimento que foi alvo de reshoring vai ser afectada pelas medidas de confinamento que sejam adoptadas e se vão ser mais ou menos apertadas do que nos parceiros comerciais.

BRASIL

Itajaí, um porto resiliente

Segundo o dicionarista Houaiss “resiliência no sentido figurado é a capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças”. O porto de Itajaí ao longo de sua história tem dado repetidas demonstrações de sua resiliência frente às adversidades e aos humores do mercado.

BRASIL

Tomada de decisão em investimento portuário: o que é isso?

A reforma portuária iniciada com a edição da Medida Provisória n. 595, em dezembro de 2012, que foi convertida na Lei 12.815/2013 (Lei dos Portos), e que encadeou uma série de normativos, tem ampliado a participação da iniciativa privada no setor. Mas há problemas. Assim sendo, como o investidor pode reduzir seu risco na tomada de decisão em investimento portuário?

OPINIÃO

O papel essencial dos Armadores para o crescimento do Brasil

Parece haver uma lacuna no imaginário colectivo brasileiro: o entendimento de que sem o transporte marítimo, no caso de muitos produtos, não haveria razão para a existência do transporte terrestre. A soja, por exemplo, é um destaque: foi o principal produto exportado pelo país em 2018, o que só foi possível pela operação da navegação marítima.

GERSON NASCIMENTO

O futuro escreve-se em África, com Angola em destaque

Previsão de crescimento. Saída da recessão. Expectativas positivas. Estes são alguns dos títulos e conteúdos de notícias que, durante o mês de janeiro, foram publicadas sobre a evolução da economia de África, em geral, e de Angola em particular. O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), por exemplo, prevê que a economia angolana cresça 1,2% este ano e 3,2 % em 2020. Um relatório da Economist Intelligence Unit revela que o crescimento económico de Angola poderá atingir uma taxa média de 2,6% ao ano no período de 2019/2023.

LUCAS RÊNIO

As greves anti-portuárias: uma realidade comum a Brasil e Portugal

Algumas décadas ainda se passarão até que a automação dos portos brasileiros e portugueses alcance os níveis dos ghost terminals europeus e asiáticos. O impacto social será menor se as medidas previstas pelas normas da OIT começarem a ser discutidas e implementadas desde já. Que os Sindicatos de Portuários no Brasil e em Portugal passem a adotar uma postura mais colaborativa, contribuindo para a estabilidade do presente e dialogando de forma realista sobre a preparação para o futuro. Mas, para isso, precisarão primeiro tirar os olhos de questões que ficaram no passado, já ficaram ultrapassadas.

OPINIÃO

O Porto de Santos: tecnologias e perspectivas

Entre 1993 e 2013 o Porto de Santos mais do que duplicou sua capacidade, a partir de algumas medidas básicas: arrendamento de áreas portuárias ao setor privado; modernização operacional e racionalização de serviços. A incorporação de novos processos e tecnologias teve inequívoco impacto positivo na produtividade do porto, porém, também foram sensíveis, negativamente, no âmbito social, posto que implicaram em redução significativa de postos de trabalho.

China realiza treinamento entre talentos portuários e consagra liderança no comércio global

Ao adoptar um ousado planeamento de financiar e elaborar projetos de infraestrutura portuária em territórios estratégicos, a China busca garantir maior participação comercial em diversos continentes. Na América Latina, o principal alvo é o Brasil. A cúpula do atual governo chinês, liderado pelo presidente Xi Jinping - recentemente consagrado com um mandato vitalício -, aposta no aprimoramento da logística portuária pelo planeta, priorizando maior fluidez no transporte de cargas. Afinal, de acordo com as estatísticas da Organização Mundial do Comércio (OMC), a China é a nação que mais participa do comércio global, com US$ 2,2 trilhões em vendas em 2017.

Portugal, a CPLP, o Atlântico, os EUA e a NATO

A recente confirmação de os Estados Unidos pretenderem reactivar a sua II Esquadra, a ficar sediada na Base Naval de Norfolk, no Estado da Virgínia e sede também do ACT (Allied Command Transformation) da NATO, diz bem da importância que o Atlântico continua a ter, e irá continuar a ter, na geopolítica internacional.

ANTÓNIO COSTA

Navios comerciais não tripulados: sim ou não?

Mas, afinal, o que são navios autónomos? E por que será necessário utilizar navios autónomos no transporte? E os navios autónomos não terão qualquer tripulante?
Segundo o projecto MUNIN1, o navio autónomo é uma embarcação equipada com sistemas de controlo modular de próxima geração e tecnologias de comunicação, que permitirão as funções de monitorização e controlo sem fios.

POR BELMAR DA COSTA

Intermodal | APLOP

Divulgamos crónica do Director Executivo da AGEPOR, Belmar da Costa, sobre a INTERMODAL e a realização da "Conferência dos Portos de Língua Portuguesa", pela APLOP, na referida Feira.
Texto publicado originalmente na "Transportes em Revista".

O mar no mundo | Consequências da Lua

O mar sempre teve uma relação muito forte com a Lua. Deslocando-se à volta do planeta Terra, numa órbita que tem o mesmo sentido da rotação do nosso planeta, este satélite natural provoca uma atração gravitacional originando quatro marés por dia, em cada ponto costeiro, duas altas e duas baixas.

A nova globalização e o impacto no comércio marítimo

Hoje, a quarta revolução industrial está a criar um modelo novo de globalização que difere dos anteriores porque assenta na descentralização geográfica. O pólo económico centrado num país ou continente que se verificou em cada nova fase da globalização está a ser substituído por um modelo multipolar. Digitalização e descentralização estão a moldar o novo comércio mundial de forma significativa e a afectar o transporte marítimo.

AFONSO CAMÕES

A minha língua na tua

(...) Não se percebe, a esta luz, que passados 20 anos, assinalados em breve, sobre a criação da CPLP não haja uma verdadeira aposta recíproca em transformar a geografia lusófona num verdadeiro mercado comum, facilitador de transações e de livre circulação, pondo termo a esse negócio hipócrita e corrupto que se esconde por detrás da teia burocrática e da concessão de vistos para viagens ou comércio.

OPINIÃO

Smart Ports | O papel das tecnologias de informação na Era dos Portos de Baixo Carbono

«Ao longo das últimas décadas, os principais portos do mundo passaram por diversos estágios de evolução que tiveram o seu início com o processo de informatização até ao conceito de “Porto Digital”.
A proximidade dos atores da cadeia de valor da logística com o fenómeno da Internet das Coisas (IoT) está a levar para o seio dos portos novas formas de recolher, partilhar e gerar valor a partir da informação. Estamos a assistir ao nascer de uma nova geração de portos apoiados por infraestruturas inteligentes, pela interconectividade das coisas e por processos de gestão otimizados pela geração de conhecimento fruto do processamento eletrónico de largos volumes de dados: - Os “Smart Ports”.

FRANCISCO JAIME QUESADO

As apostas da Floresta e do Mar

Portugal é hoje um país da linha da frente na promoção do mar como um fator de estratégia competitiva. A aposta que nos últimos anos se tem consolidado de reforço de uma “economia do mar” constitui a melhor evidência do impacto que a “partilha permanente do conhecimento” tem que ter na construção de uma plataforma social mais competitiva mas seguramente mais coesa do ponto de vista social e humano. Apostar no mar é desta forma um ato de primazia à inovação e conhecimento mas sem esquecer a capacidade inclusiva que a natureza tem que saber propiciar a uma sociedade cada vez mais complexa.

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alberto Bengue, Presidente da APANG

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alcídio Nascimento

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Ted Lago

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Fátima Alves

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Nuno Araújo

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Lucas Rênio

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Francisca Chambal

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Robledo Gioia

 VI CONGRESSO DA APLOP - Abertura do Painel I - Lídia Sequeira

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Congresso Intercalar Portos CPLP - Rio de Janeiro – Domingos Fortes (1)

 “EXPERIÊNCIA DO PORTO DE LEIXÕES NA FORMAÇÃO PORTUÁRIA”- Matos Fernandes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP – Menção Honrosa a Lima Torres

 IV Encontro de Portos da CPLP - Sessão de encerramento - Franklim Spencer

 “GEOPOLÍTICA DO MAR” - Carlos Manuel Mendes Dias (1)

 Novo Porto do Dande - Domingos Fortes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP - Franklin Spencer

 «Há muito potencial de crescimento nas relações comerciais Portugal/Brasil» (1)

 Porto de Luanda - 1955

 III Encontro de Portos da CPLP - Adalmir José de Sousa

 III Encontro de Portos da CPLP – Apresentação da Mesa de Honra

 III Encontro de Portos da CPLP - Estudo de mercado - (13) – Debate

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família